Artigo anterior
Próximo artigo
A conformidade não vem, mas nasce de você

A conformidade não vem, mas nasce de você

15/11/2022

-

7 min

Como foram meus começos, como minha vida profissional me levou a aterrisar em conformidade? Bem, eu tenho acreditado que o Compliance não vem, ele nasce de você. Não acredito na conformidade, não acho que seja apenas um trabalho mover tantas emoções, mover posições, transformar uma cultura de integridade em organizações, não acho que seja limitado a um trabalho, por isso acreditei que a conformidade tem estado comigo toda a minha vida. Eu tinha os melhores Compliance Officers, meus pais; deles eu pude ver o que era Compliance, como era vivido, o que significava integridade, como se comportar bem, como cuidar de nossa imagem, como ser congruente. 

Mas o Compliance veio até mim da universidade, porque estudei em uma universidade com um perfil muito norte-americano. Na universidade eu tinha uma bolsa de estudos, e eles nos pediram para fazer um tipo de trabalho social para compensar esta ajuda financeira, e fui designado para ser responsável pelo monitoramento do cumprimento do serviço social na universidade. Nesta universidade, o serviço social não era um estágio profissional, mas sim para apoiar a comunidade, tanto na educação, para aprender a ler e escrever e, dependendo da especialização que se tivesse, era para apoiar a comunidade. 

Com estes estágios, aprendi o que era uma auditoria, mas sobretudo aprendi a importância de dizer a verdade, a importância de não querer passar por cima de todos, sob o pretexto de se formar. Infelizmente, tive que identificar casos em que eles não estavam fazendo estágios, ou seja, apoiando a comunidade, mas alguns estudantes tinham conhecidos que assinaram os papéis para que eles passassem no processo. 

E quem diria que estes anos de prática na universidade se tornariam mais tarde uma base clara para o cumprimento. Eu sou Compliance, já como advogado graduado e trabalho em organizações, mas o engraçado é que eu nunca vi isso como um trabalho.

 

Adriana, como você diz, sua vasta experiência profissional o levou através de uma longa lista de multinacionais; isto é de grande valor agregado. Uma das grandes multinacionais para as quais você trabalhou é a gigante do tabaco Philip Morris. Como você aborda a gestão de programas de conformidade em indústrias e setores onde o primeiro ponto de conflito talvez seja a insalubridade de um produto, e qual é a sua opinião a esse respeito?

Eu era muito jovem naquela época, e você sabe que a idade é importante, não é a mesma aos 22 anos e aos 40, quando você já está se perguntando outros conceitos e com outro nível de profundidade. Naquela época, eu não analisei o produto e a filosofia, e mais tarde confirmei que não estava errado. O que quero dizer com isso? Penso que aqueles de nós que fazem Compliance são sonhadores, porque há um grau de idealismo que sempre nos acompanha, de querer que tudo seja perfeito e que tudo seja claro, que tudo seja muito bom. Aconformidade começa como uma questão de qualidade, e qualidade significa congruência e compromisso, e significa verdade no que se faz, não importa se é tabaco, medicina ou mídia.

O que você faz tem que ser o melhor. E acho que aprendi que da grande escola que a Philip Morris foi para mim, foi a minha segunda disciplina como Compliance. Eu já tinha feito isso antes em outra empresa e tive a sorte de saber como um programa de conformidade estava sendo desenvolvido fora dos Estados Unidos. A conformidade nasceu nos Estados Unidos, os demais países estavam emulando, assimilando e outros simplesmente copiando o que estava acontecendo lá, sem talvez chegar ao ponto ideal ou mudar a cultura. Assim, aprendi, em muito pouco tempo, que a qualidade é um eixo comportamental natural, e estou certo de que hoje é fundamental fazer o Compliance. Aprendi que Compliancesignifica fazer as coisas bem da primeira vez, mitigar o desperdício, parar de refazer as coisas e fazê-las dar errado novamente, como aquele contrato que os colegas nos pedem para assinar e nós cometemos um erro na cláusula, cometemos um erro na informação e voltamos a cometer um erro. E isso para frente e para trás é um desperdício excessivo.

Baixe nosso aplicativo

Artigos relacionados

 O Terceiro Partido e a "Russofobia".

O Terceiro Partido e a "Russofobia".

A reputação, o rescaldo de toda esta guerra, veremos ao longo do tempo. Hoje, temos que analisá-lo muito rapidamente: a venda da ação

15.11.2022
-
Leia o artigo
14 alertas de tempo de guerra

14 alertas de tempo de guerra

Acredite ou não, a guerra entre a Ucrânia e a Rússia está afetando o mapa de risco de sua empresa. Descubra os 14 alertas do tempo de guerra...

15.11.2022
-
Leia o artigo
O que é KYC (Know Your Customer) e como se relaciona com a AML?

O que é KYC (Know Your Customer) e como se relaciona com a AML?

Os conceitos de KYC (Know Your Customer) e AML (Anti Money Laundering) estão intimamente relacionados. Se você conseguir combinar KYC e AML, acrescente...

1.3.2023
-
Leia o artigo

Inscreva-se

Assine a nossa newsletter

Não me interressa